MArquE
  • Processo Seletivo Bolsa Pibe – Setor Pedagógico

    Publicado em 21/03/2019 às 14:14

    Descrição da imagem: cartaz de divulgação de vaga de Bolsa PIBE para atuação no setor Pedagógico do MArquE. O cartaz é em tons da cor laranja, tem em sua extremidade inferior as marcas do MArquE e da UFSC e em seu corpo o seguinte conteúdo: Processo seletivo bolsista MArquE para setor pedagógico – 20 horas semanais – valor da bolsa: 364,00 + 132,00 (vale transporte). Requisitos:

    Para se candidatar, os estudantes devem estar matriculados e frequentando curso de graduação da UFSC, não ter reprovado por frequência insuficiente (FI) no semestre anterior e ter índice de aproveitamento acumulado (IAA) igual ou superior a 6,0 (seis). Ter vinte horas semanais disponíveis para o trabalho, sendo a maior parte no período matutino.  Inscrição:  22 a 28 de março de 2019, na portaria do Pavilhão de exposições do MArquE. Data da entrevista: 03 de abril de 2019. O horário da entrevista será comunicado pelo Setor Pedagógico.


  • Processo Seletivo Bolsa Pibe – Documentação Museológica

    Publicado em 14/03/2019 às 11:05

    Descrição da imagem: cartaz de divulgação de vaga de Bolsa PIBE para atuação no setor de Documentação Museológica do MArquE. O cartaz é em tons da cor laranja, tem em sua extremidade inferior as marcas do MArquE e da UFSC e em seu corpo o seguinte conteúdo: Processo seletivo bolsista MArquE para setor de documentação museológica – 20 horas semanais – valor da bolsa: 364,00 + 132,00 (vale transporte). Requisitos: Estar matriculado no curso de graduação em museologia; Ter concluído as disciplinas de Conservação I e de Documentação Museológica; Índice de Aproveitamento Acumulado (IAA) superior a 6,0; Não possuir reprovação por Frequência Insuficiente (FI) no semestre anterior.  Inscrição:  13 a 19 de março de 2019, das 7:30 às 18h, na portaria do MArquE. Data da entrevista: 21 e 22 de março de 2019. O horário da entrevista será definido pela ordem das inscrições e enviado por e-mail até o dia 20 de março. Resultado da seleção: 22 de março de 2019, será publicado no site do museu (http://museu.ufsc.br)


  • Processo Seletivo Bolsa Pibe – Conservação

    Publicado em 14/03/2019 às 11:04

    Descrição da imagem: cartaz de divulgação de vaga de Bolsa PIBE para atuação no setor de Conservação do MArquE. O cartaz é em tons da cor laranja, tem em sua extremidade inferior as marcas do MArquE e da UFSC e em seu corpo o seguinte conteúdo: Processo seletivo bolsista MArquE para setor de documentação museológica – 20 horas semanais – valor da bolsa: 364,00 + 132,00 (vale transporte). Requisitos: Estar matriculado no curso de graduação em museologia; Ter concluído as disciplinas de Conservação I e de Documentação Museológica; Índice de Aproveitamento Acumulado (IAA) superior a 6,0; Não possuir reprovação por Frequência Insuficiente (FI) no semestre anterior.  Inscrição:  13 a 19 de março de 2019, das 7:30 às 18h, na portaria do MArquE. Data da entrevista: 21 e 22 de março de 2019. O horário da entrevista será definido pela ordem das inscrições e enviado por e-mail até o dia 20 de março. Resultado da seleção: 22 de março de 2019, será publicado no site do museu (http://museu.ufsc.br)


  • expediente no carnaval

    Publicado em 01/03/2019 às 15:59

    Seguindo o calendário da UFSC, o MArquE não terá expediente nos dias 04 e 05 de março de 2019.

    Na quarta feira, dia 06, o expediente será das 14:00 às 18:00

    A partir de quinta feira, voltamos ao expediente habitual, das 7:00 às 19:00.

    As visitas e outras ações que envolvem público externo seguem suspensas – para saber mais clique aqui


  • MArquE publica seu relatório de ações em 2018

    Publicado em 11/02/2019 às 13:03

    Já está disponível, no link “documentos institucionais” (http://museu.ufsc.br/documentosinstitucionais/) o relatório que sintetiza as ações realizadas pelo Museu de Arqueologia e Etnologia Professor Oswaldo Rodrigues Cabral no ano de 2018.


  • Boas Festas!

    Publicado em 20/12/2018 às 9:51
    Em 2018 vivemos muitos bons momentos no MArquE: ações educativas, achados importantes nas pesquisas, visitas nas exposições, festas no terraço, ricas trocas no evento Museus e Resistências, parcerias com professores, estudantes e pesquisadores.
    Vivemos também o duro momento de luto pelo incêndio do Museu Nacional e o fechamento do MArquE para público externo, por questões de segurança. Desde setembro, trabalhamos para reverter essa situação.
    ESTAR NOVAMENTE DE PORTAS ABERTAS PARA A COMUNIDADE É NOSSO MAIOR DESEJO PARA 2019!
    Até lá, desejamos a todos ótimas festas!
     
    *estamos trabalhando em expediente interno das 7:30 às 13:30 até 15/02, conforme horário de verão da UFSC. Não haverá expediente nos dias do natal e ano novo.
    * descrição da imagem: cartão onde se lê Boas Festas! O funda da imagem é uma foto desfocada de bolas de natal em um pinheirinho; em primeiro plano está uma bola de plástico vermelha brilhante. No topo do cartão há o desenho de um pinheiro e fogos de artifícios, tudo estilizado de acordo com as cores e formas da marca do MArquE: ângulos agudos em tons marrons. No limite inferior da imagem há uma tarja de cor creme com as marcas do MArquE e da UFSC.

  • Horário de verão

    Publicado em 19/12/2018 às 9:19

    O MArquE informa que até o dia 15 de fevereiro de 2019 os servidores estão com expediente matutino, das 7:30 às 13:30, de acordo com o horário de verão da UFSC instituído pela portaria 153/2018/GR.


  • Museus e Resistência – ciclo de debates Museu em Curso

    Publicado em 18/09/2018 às 17:33

    O MArquE e o Curso de Graduação em Museologia da UFSC convidam para a edição “Museus e Resistência” do ciclo de debates “Museu em Curso”.

    Confira a programação no cartaz abaixo e se inscreva clicando aqui

    Descrição da imagem: cartaz de divulgação que traz os seguintes locais, horários e atividades: 26/09/2018 – Local: Auditório do Centro Socioeconômico – CSE – 08:30-09:30 Credenciamento; 09:30-10:00 Cerimônia de Abertura do Evento; 10:00-12:00 Conferencia de Abertura com Dra. Marília Xavier Cury – MAE/USP; 12:00 -14:00 Intervalo para almoço; 14:00-17:00 Mesa 1 – Novos Museus – Mediação – Profa. Renata Padilha(Museologia/UFSC) Temas e componentes da mesa: Museu da Maré – Luiz Antônio de Oliveira; Museu das Remoções – Thainã Medeiros Museu da Diversidade Sexual – Franco Reinaudo 27/09/2018 Local: Auditório do Centro Socioeconômico – CSE 09:00-12:00 Mesa 02 – Outras Museologias Mediação – Profa. Thainá Castro (Museologia/UFSC). Temas e componentes: Comunidade Cultural Quilombaque – Clébio “Dedé” de Souza; Rede Indígena de Memória e Museologia Social – Fabrício Karipuna; Rede de Museologia Social – Inês Gouveia; Programa Pontos de Memória – Cláudia Feijó; 12:00 -14:00 Intervalo para o Almoço 14:00 -17:00 Conferência de Encerramento com Dra. Regina Abreu – Programa de Pós Graduação em Memória Social/UNIRIO; 17:00 -18:00 Plenária Final OFICINAS – inscrições apenas para estudantes de museologia 28/09/2018 10:00 – 13:00 e 14:00 – 18:00 “Introdução ao desenho técnico e SketchUp”; Ministrantes: Lucas Figueiredo Lopes e Marcela Lemos Motta; Local: será informado posteriormente 10:00 – 13:00 e 14:00 – 18:00 “Introdução à conservação de obras sobre papel”; Ministrante: Vanilde Rohling Ghizoni; Local: LABCON – Sala 204, Bl. D do CED. Abaixo das informações estão as logos do MArquE, do Curso de Graduação em Museologia, da SeCArte e da UFSC


  • Nota de repúdio à extinção do Instituto Brasileiro de Museus

    Publicado em 14/09/2018 às 9:26

     

    NOTA DE REPÚDIO À EXTINÇÃO DO INSTITUTO BRASILEIRO DE MUSEUS

    Apenas alguns dias após a destruição concreta do Museu Nacional da Quinta da Boa Vista/UFRJ por um incêndio, recebemos com amargura e indignação a notícia de mais uma destruição, desta vez política e simbólica, no campo dos museus: a extinção do Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM), autarquia vinculada ao Ministério da Cultura.

    Criado em 2009, o IBRAM constituiu importantes políticas para o campo museal atuando de forma democrática e participativa. Parece-nos emblemático que sua extinção se dê de forma autoritária e apressada, por meio de duas Medidas Provisórias (850 e 851) com caráter de urgência, sem qualquer discussão com os intelectuais e profissionais do campo, a sociedade civil organizada, e nem mesmo os servidores e o próprio presidente do Instituto.

    A mudança da personalidade jurídica do órgão gestor de 27 museus federais com a criação da Agência Brasileira de Museus (ABRAM) em substituição ao IBRAM não é mera formalidade ou alteração burocrática. Trata-se de mais uma abertura do governo à privatização dos serviços públicos. Defendemos que a gestão pública dos museus é imprescindível para que estes estejam a serviço dos interesses públicos, cumprindo da melhor forma o previsto no Estatuto dos Museus (Lei 11.904/2009).

    Lamentamos que a tragédia no Museu Nacional esteja sendo utilizada para ilustrar o falacioso argumento de que o problema do campo museal é a suposta má-gestão dos recursos na esfera pública, buscando justificar a superioridade da gestão privada, notadamente por meio das Organizações Sociais. Refutamos este argumento sob dois ângulos. Em primeiro lugar, o de que se trata de um problema de gestão: entendemos que o problema principal está na pouca valorização dos museus e em seu consequente sub-financiamento. Em segundo lugar, o de que a gestão privada é mais adequada: são diversos os exemplos práticos que demonstram que esta é menos útil socialmente e mais onerosa financeiramente. Assim, não concordamos que a criação da ABRAM e a abertura para as parcerias público-privadas e Organizações Sociais serão positivas para o funcionamento dos museus brasileiros.

    Isto posto, nós, servidores do Museu de Arqueologia e Etnologia Professor Oswaldo Rodrigues Cabral, da Universidade Federal de Santa Catarina, vimos a público manifestar nosso repúdio à extinção do Instituto Brasileiro de Museus, não apenas pela alteração de gestão dos museus que a ele eram subordinados, mas também pela importância de suas políticas e ações para todos os museus brasileiros. Ademais, externamos nosso repúdio à forma arbitrária como foi conduzida esta importante modificação para todo o campo museal no país.

    Florianópolis, 13 de setembro de 2018.

     


  • Carta Aberta à Comunidade

    Publicado em 06/09/2018 às 11:49

    CARTA ABERTA À COMUNIDADE E À REITORIA DA UFSC, QUANTO À SITUAÇÃO DO MUSEU UNIVERSITÁRIO

    O Museu de Arqueologia e Etnologia Professor Oswaldo Rodrigues Cabral (MarquE) é um órgão suplementar da Universidade Federal de Santa Catarina vinculado ao Gabinete da Reitoria. Conhecido como o berço da Antropologia no estado de Santa Catarina, teve o início de suas atividades na década de 1960 enquanto Instituto de Antropologia, passando, com a Reforma Universitária de 1971, à condição de Museu Universitário.

    Atualmente, e mantendo sua relevância nos cenários arqueológico, antropológico, museológico e histórico da Região Sul, o MArquE faz parte da Rede de Museus Universitários, possui parcerias importantes quanto ao endosso a obras de interesse público, atende pesquisadores interessados nos acervos aqui salvaguardados e que desenvolvem teses, dissertações e trabalhos de conclusão de curso, bem como relatos de estágio, atua com populações indígenas, recebe escolas das redes pública e privada, atua na formação de professores, organiza eventos, sendo referência no estado nas questões de conservação de acervos, entre outras ações. Além disso, e em articulação com demandas locais, o MArquE está aberto à visitação de terça à sexta e no primeiro sábado de cada mês, desenvolvendo atividades educativas junto a diferentes públicos, notadamente o escolar, se constituindo como uma referência para as redes pública e privada de ensino e, neste momento, trabalha no projeto de uma nova exposição temporária sobre Franklin Cascaes. Dados que podem ser consultados nos seguintes documentos: Plano Museológico 2016-2021 e o Relatório Anual de Atividades 2017, ambos publicados na página do MarquE (http://museu.ufsc.br/).

    As dificuldades orçamentárias historicamente sentidas pelos museus e instituições educativas vêm sendo aprofundadas pelas políticas de austeridade implantadas pelo governo atual, notadamente em decorrência da Emenda Constitucional do Teto de Gastos Públicos (resultado da aprovação da PEC 241/2016 na Câmara dos Deputados e 55/2016 no Senado Federal), que congela por 20 anos o investimento público em esferas estratégicas como a educação e a cultura.

    Essa triste realidade, que negligencia os museus brasileiros, aniquilou o Museu Nacional/UFRJ e tem afetado visceralmente outros museus universitários pelo país. É neste contexto de precarização que o MArquE vem a público apontar sua realidade. Afinal, tamanha relevância institucional não tem sido suficiente para que questões básicas de segurança (para as pessoas e os acervos) sejam garantidas.

    Não é novidade para as instâncias da gestão universitária que o MArquE possui questões latentes. Falamos aqui de problemas estruturais (como goteiras, infiltrações, problemas elétricos e de acessibilidade, entre outros) e relativas ao seu reduzido corpo técnico. Durante os últimos anos, e após a instituição se organizar internamente, vários foram os pedidos de manutenção predial, de acompanhamento institucional para elaboração e gestão de projetos estruturais, bem como tentativas de encaminhar a elaboração de um Plano de Gestão de Riscos, que culminaria em um Plano de Segurança e Emergência.

    A falta de solução de nossas demandas, ou o encaminhamento de forma equivocada, nos faz refletir: O que a UFSC espera e projeta para o MArquE?

    Quando nos deparamos com problemas simples como a falta de sinalização no Campus que informe a existência e localização do MArquE, quando entendemos que o Museu não possui orçamento próprio, quando vemos um prédio novo e com tantos problemas sendo utilizado sem as devidas autorizações, entendemos que talvez as instâncias de diálogo estejam esgotadas.

    Neste sentido nos manifestamos.

    Com esta carta, informamos a comunidade acadêmica, os órgãos de gestão universitária e a sociedade que, na ausência da garantia de segurança para os acervos e para as pessoas, a equipe opta por não colocar visitantes e pesquisadores em risco. Dessa forma, com pesar comunicamos a decisão de suspender, a partir do dia 10 de setembro de 2018, as atividades de ensino, pesquisa e extensão que envolvam pessoas que não fazem parte do quadro de trabalhadores do MArquE. O retorno destas atividades do Museu está condicionado à liberação de uso do prédio por parte dos órgãos públicos pertinentes (alvará do Corpo de Bombeiros e Habite-se da Prefeitura Municipal) e manifestação da Universidade perante demandas imperativas já manifestadas anteriormente.

    A equipe seguirá trabalhando e desenvolvendo as atividades internas, buscando minimizar quaisquer possíveis danos, e se coloca à inteira disposição para os encaminhamentos necessários para a resolução desta situação. Aproveitamos para, nesta Carta Aberta, solicitar formalmente uma audiência com o Magnífico Reitor Ubaldo Balthazar a ocorrer no MarquE, para tratar da questão, de forma que possamos brevemente voltar a prestar seus serviços à comunidade.

    Finalmente, a equipe do MarquE traz a público sua total solidariedade e apoio ao Museu Nacional/UFRJ, disponibilizando seus especialistas para colaborar nas atividades que o MN/UFRJ entenda necessárias.

    Florianópolis, 06 de setembro de 2018

    Equipe do MArquE