Acervo 4 – artefatos líticos

Fotografia de uma esfera de pedra de formato irregular e de aparência rugosa.

Artefatos líticos fazem parte dos instrumentos e utensílios fabricados e utilizados pelos Guarani.

O peso de rede acima, encontrado no sítio Maciambu I localizado muito próximo ao rio de mesmo nome e que desagua no mar, sugere que este artefato foi utilizado para atividades relacionadas à pesca. Exploradores e viajantes europeus relatam várias técnicas de pesca entre os Guarani incluindo as realizadas com redes colocadas nas margens de cursos de água e fixadas por meio de pesos de rede.

Na época da escavação do sítio Maciambu I, mais quatro desses objetos foram coletados, entretanto eles podem ter sido utilizados como boleadeiras. Este tipo de peça, adquirida pelos Guarani quando entraram em contato com populações pampeanas, servia para caçar animais terrestres e abater inimigos. Uma boleadeira podia ser formada por duas a três peças amarradas por cordas confeccionadas em fibras vegetais, entretanto, parece que eram usadas somente em paisagens mais abertas, como nos campos, e não em matas fechadas.  Como sabemos da extensa rede de comunicação entre os Guarani, este tipo de instrumento deve ter se espalhado entre as várias aldeias.

Já a imagem abaixo mostra um afiador/calibrador/alisador, encontrado no sítio arqueológico Lagoinha do Rio Tavares I, que poderia ser empregado para polir artefatos em ossos, para alisar irregularidades de superfícies de alguns materiais como a madeira, para confeccionar pontas de projétil, furadores, adornos labiais (tembetás), entre outras possibilidades. Portanto, essa peça abre possibilidades para inferir várias tarefas relacionadas não apenas à fabricação de outros instrumentos, mas, também, para a realização de atividades, cotidianas ou não, em que estes utensílios eram empregados.

Fotografia da parte superior de pedra de formato irregular e superfície rugosa e irregular com estreito afundamento central de uma extremidade a outra. O afundamento apresenta aparência menos rugosa que o restante.

 

Os Guarani perfazem hoje a mais numerosa sociedade indígena do Brasil, somando cerca de 55.000 pessoas. Já a soma, tomando o Paraguai, a Argentina e a Bolívia (Guarani Chiriguanos), uma vez que atualmente não se registram aldeias no Uruguai, ultrapassa 230.000. No Brasil, os Guarani marcam presença, sobretudo, nas regiões sul, sudeste e centro-oeste, nos estados do RS, SC, PR, SP, RJ, ES e MS. Há também pequenos aldeamentos nos estados de TO, MA e PA. Portanto, dados arqueológicos e históricos comprovam que os Guarani ocuparam vasto território e que as atuais fronteiras nacionais não comportam o sistema cultural deste grupo.

 

Para saber mais:

Além das sugestões que inserimos aqui, você pode consultar o seguinte material:

Os Guarani e seus artefatos líticos: um estudo tecnológico no sul do Brasil, artigo de Rafael Guedes Milheira

Dados dos acervos:

Peso de rede e/ou boleadeira – sítio Maciambu I, Palhoça. Coletores: Fossari e colaboradores, 1987 (Medidas: 5,0cm x 6,8cm)

Afiador/calibrador/alisador – sítio Lagoinha do Rio Tavares I, sul da Ilha de Santa Catarina, pesquisa Piazza 1964/1965 (Medidas: 5,0cm x 6,5cm)