Extensão: curso “Fronteiras do patrimônio: diálogos entre a conservação e a museologia”

03/07/2014 18:37

Cartaz fronteiras

 

O curso de extensão “Fronteiras do patrimônio: diálogos entre a conservação e a museologia” é composto por três módulos que tratarão, respectivamente, do processamento técnico de acervos; das normativas e usos de espaços museológicos; da conservação durante as exposições.

Constituiu-se a partir da parceria da restauradora do MArquE Vanilde Rohling Ghizoni com as museólogas Thainá Castro e Luciana Silveira Cardoso, professoras do curso de Museologia/UFSC, o museólogo Renilton Matos Assis e  a conservadora/restauradora Márcia Regina Escortenhaga, do Museu Histórico de Santa Catarina/FCC.

Foram disponibilizadas 40 vagas –  já preenchidas.

Em breve, confira aqui o registro dos encontros!

MArquE inaugura, em 29 de maio, exposição “Arqueologia em questão: percorrendo o litoral catarinense”

19/05/2014 01:04

A sala está assim denominada: Exposição de Longa Duração. O local é o Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade Federal de Santa Catarina (MArquE/UFSC). O substrato ofertado ao público diz respeito à exposição ARQUEOLOGIA EM QUESTÃO: PERCORRENDO O LITORAL CATARINENSE.

Trata-se de evento que coaduna com o MArquE, dada a sua marcante história de pesquisa e atuação nessa área de conhecimento desde a década de 1960, como Instituto de Antropologia.

Em 29 de maio de 2014 teremos uma oportunidade sem precedentes de voltarmos nossas atenções ao passado que testemunhou ocupações de diversos grupos humanos no litoral catarinense. Estaremos frente ao ofício do arqueólogo e diante de culturas distintas no tempo e no espaço. Os períodos pós-colonial, colonial e pré-colonial – a compor aproximadamente seis milênios, se descortinarão face às pesquisas efetivadas no transcorrer de cinco décadas. Saberemos de sítios coloniais e pós-coloniais representados pela vida cotidiana nas Fortificações e seus arredores, de populações Guarani e Jê, assim como dos grupos responsáveis pelos sambaquis. Visitaremos as representações rupestres e as oficinas líticas.

Peças do acervo do MArquE, imagens e figuras variadas, somadas a uma composição de palavras, tratarão de possibilitar a pertinência do cultivo ao conhecimento e sua contígua consequência – a reflexão, que acarreta, num fluxo contínuo, o reconhecimento à diversidade e o respeito à diferença. No tempo e no espaço.

Serviço:

O que: Abertura da Exposição Arqueologia em Questão: Percorrendo o Litoral Catarinense

Quando: 29 de maio de 2014, às 19h.

Onde: Sala de Exposição de Longa Duração do Pavilhão de Exposições Silvio Coelho dos Santos do Museu de Arqueologia e Etnologia – UFSC

Campus Universitário Reitor João David Ferreira Lima, s/n – Trindade – Florianópolis – SC

Quanto: Entrada franca

Informações: 48 – 3721-9325

e-mail: ufsc.mu.secretaria@gmail.com

Nesta sexta, “Curadorias participativas e povos indígenas” no Ciclo sobre Museus Universitários

12/05/2014 19:44

Fabíola A. Silva, do Museu de Arqueologia e Etnologia (MAE) da USP, será a próxima palestrante no Ciclo de Debates sobre Museus Universitários. O tema da palestra será  “Curadorias participativas e povos indígenas: uma reflexão sobre o papel dos museus no mundo contemporâneo”, na sexta, 16 de maio, às 15 horas no auditório do MArquE/UFSC. 

O Ciclo de Debates “Museus Universitários” é uma iniciativa do Centro de Filosofia e Ciências Humanas/CFH e do Museu de Arqueologia e Etnologia/MArquE com o objetivo de qualificar academicamente o debate a respeito dos diversos desafios relativos ao campo de atuação do Museu de Arqueologia e Etnologia, museu universitário, público e federal  da UFSC. Durante o evento serão debatidos temas importantes na agenda de diferentes universidades públicas no país, presentes nos seus departamentos de ensino e em seus museus universitários. O ciclo apresenta as contribuições de antropólogos, arqueólogos, museólogos, historiadores e outros profissionais à frente das ações de ensino, pesquisa e extensão desenvolvidas em diferentes museus universitários do país.

Está previsto, ao final das atividades de participação dos convidados externos de outras universidades, um debate final envolvendo a comunidade acadêmica da UFSC com um balanço das reflexões acumuladas com o ciclo

Fabíola A. Silva (MAE/USP – Possui mestrado em Antropologia Social pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1992), doutorado em Ciências (Antropologia Social) pela Universidade de São Paulo e pós-doutorado em Arqueologia pela Universidade de São Paulo (2002). Atualmente é professora e pesquisadora no Museu de Arqueologia e Etnologia da  Universidade de São Paulo. Tem experiência na área de Arqueologia e Antropologia, com ênfase em Etnoarqueologia e Etnologia Indígena, atuando nos seguintes temas: Cultura Material, Formação do Registro Arqueológico, Curadoria de Coleções Etnográficas, Arqueologia em Terra Indígena. Realiza pesquisa Etnográfica e Etnoarqueológica com os Povos Asurini do Xingu, Kayapó-Xikrin, Terena e Kayabi.

Nesta quarta começa o ciclo sobre Museus Universitários no CFH

06/04/2014 23:58

CICLO DE DEBATES SOBRE MUSEUS UNIVERSITÁRIOS : ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA

9 de abril – quarta – às 14h30 no auditório do MarquE

Arte ou Artefato: uma questão museológica?

Palestrante : Cristiana Barreto –  arqueóloga (MAE-USP)

Bacharel em História, Mestre em Antropologia Social e Doutora em Arqueologia, sempre pela Universidade de São Paulo, cursou também o programa de doutorado no departamento de Antropologia da Universidade de Pittsburgh (EUA). Atualmente desenvolve projeto de pesquisa de pós-doutorado junto ao Museu de Arqueologia e Etnologia da USP sobre a representação do corpo na Amazônia pré-colonial. Relizou pesquisas arqueológicas no Vale do Ribeira (SP) sobre sambaquis fluviais, no Brasil Central (MT e GO) sobre as aldeias circulares de povos ceramistas, e investiga temas relacionados à organização social e identidades de sociedades indígenas. Nos últimos anos tem se dedicado ao estudo dos universos estéticos da Amazônia pré-colonial e da relação entre estilos das cerâmicas e identidades culturais. Publicou artigos sobre a história da arqueologia no Brasil e realizou a curadoria de diversas exposições sobre arte indígena pré-colonial, com uma preocupação especial sobre a museologia e exposições de temas antropológicos.

Próximos eventos do Ciclo :

14 de abril – às 14h30 no auditório

Marcia c. Rosato – Diretora do Museu de Arqueologia e Etnologia (MAE – UFPR)

Miguel Alfredo Carid Naveira – vice-diretor do MAE-UFPR e Professor Adjunto Departamento de Antropología-UFPR

Ana Luisa de Mello Nascimento  – Museóloga do MAE-UFPR

16 de maio – 14h

Fabíola A. Silva arqueóloga do MAE/USP

MArquE tem projeto de exposição arqueológica contemplado pelo Procultura 2014

21/03/2014 17:06

O Projeto de Exposição “Arqueologia em questão: percorrendo o litoral catarinense”, apresentado pela arqueóloga Luciane Zanenga Scherer, do MArquE, foi um dos contemplados no Edital PROCULTURA 2014 da UFSC.

O Programa de Apoio a Ações de Cultura – PROCULTURA tem como objetivo apoiar financeiramente, no todo ou em parte, ações de cultura, propostas por servidores docentes ou técnico-administrativos da UFSC que tenham relação com o ensino, a pesquisa e a extensão universitária. Maiores detalhes na página da SECULT/UFSC.

Recepção aos calouros da UFSC terá aula magna e apresentação cultural nesta terça

16/03/2014 19:55

O primeiro dia de aulas na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) será nesta segunda-feira, dia 17. Uma série de eventos foram planejados para recepcionar os mais de seis mil novos alunos na terça-feira, dia 18 de março, às 9h e às 19h, no Auditório Garapuvu, do Centro de Cultura e Eventos. O destaque da recepção aos calouros será a aula magna, proferida pela professora da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e representante da Procuradoria Federal na Fundação Cultural Palmares, Dora Lúcia de Lima Bertulio.

Estarão presentes para as boas-vindas aos mais novos integrantes da comunidade universitária a reitora Roselane Neckel, a vice-reitora Lucia Helena Martins Pacheco, pró-reitores, secretários especiais, diretores de Departamentos Administrativos e de Órgãos Suplementares, servidores docentes, técnico-administrativos e alunos da UFSC.

O secretário de Cultura da UFSC, Paulo Berton, que é o organizador do evento explica que é importante que os alunos sejam liberados pelos seus professores para participar do evento. “Todo início de semestre programamos essa recepção, de manhã e à noite, para contemplar diferentes turnos e contamos com a colaboração dos professores para que liberem os alunos para essa recepção”, destaca.

A solenidade de recepção aos calouros será transmitida pela internet para os campi de Araranguá, Curitibanos, Joinville e Blumenau.

Sobre a palestrante

Dora Lúcia de Lima Bertulio atuou no Estado do Paraná como Procuradora-Geral na Secretaria de Estado da Saúde; na Universidade Federal e no Incra. Lecionou na Universidade Tuiuti do Paraná; na Universidade Federal de Santa Catarina e Universidade Federal de Mato Grosso, nas disciplinas de Direito do Estado, Direitos Humanos, Relações Raciais e de Gênero.

Bertulio participou ativamente dos processos de implementação de programas de ação afirmativa para inclusão de população negra no Ensino Superior e Mercado de Trabalho na UFPR e colaborou com a implementação das Cotas nas Universidades Federais de Alagoas, Santa Catarina; Rio Grande do Sul, Mato Grosso, Pará, Amazonas, Sergipe e Estaduais do Paraná.

Reitoras divulgam nota de esclarecimento sobre flexibilização da carga horária

24/02/2014 20:44

Segue a nota divulgada pela Reitora e Vice-Reitora da UFSC em 20 de fevereiro de 2014.

Nota de Esclarecimento

A Administração Central da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) recebeu atônita a divulgação da falsa notícia sobre a autorização das reitoras para a implantação da jornada de 30 horas semanais na instituição – uma referência ao horário de verão praticado na UFSC pelo menos desde 1995. Apresentado em um blog da internet e compartilhado em redes sociais, o texto assegura que “o que aconteceu é que o dirigente máximo da instituição pública permitiu a flexibilização da jornada de trabalho para todos”.

Cabe esclarecer que em nenhum momento a reitora, a vice-reitora ou qualquer pró-reitor ou secretário, sob a orientação da reitoria, determinou a implantação de 30 horas, pois essa autorização contraria a legislação vigente. O horário de verão é uma exceção que, todos os anos, é concedida visando, sobretudo, à economicidade. Cabe, inclusive, às chefias imediatas zelar para que as horas trabalhadas a menos no período sejam repostas ao longo do ano. Esta tem sido a prática recorrente na instituição há cerca de 20 anos; basta recorrer aos arquivos do Boletim Oficial da UFSC para ter acesso aos documentos que autorizaram esse regime especial em períodos específicos e a bem do serviço público. Em nenhum deles se fala que o contrato de trabalho dos técnicos em Educação deixou de ser de 40 horas.
(mais…)

MArquE é eleito para Conselho Gestor do SEM/SC

13/11/2013 19:12

Ocorreu entre os dias 04 e 06 de novembro, no Centro Integrado de Cultura, em Florianópolis, o 4° Fórum Estadual de Museus de Santa Catarina, durante o qual as instituições museológicas do Estado puderam votar em seus representantes para a gestão 2014-2015 do Conselho Gestor do Sistema Estadual de Museus (SEM/SC).

Após empate entre os candidatos da Grande Florianópolis, o  MArquE, na pessoa de sua museóloga Viviane Wermelinger  Guimarães, ficou com a suplência na representação da região.

Mais informações podem ser conferidas no site da Fundação Catarinense de Cultura, clicando aqui.

Palestra sobre políticas públicas de acervos

11/11/2013 16:49

Com organização do Museu Victor Meirelles, será realizada no auditório do MArquE, em 12 de novembro, a paletra “Políticas Públicas de Acervos: a Informação como Questão” A palestrante é a museóloga Rose Miranda, coordenadora-geral de Sistemas de Informações Museais do IBRAM. 

Dia 12 de novembro, terça-feira, às 16 horas, no auditório do MArquE/UFSC.

Rose Miranda é graduada em Museologia com mestrado em Ciência da Informação, ambos pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Trabalhou em museus no estado de São Paulo e no Rio de Janeiro, onde foi Diretora da Divisão de Museologia do Museu de Arte Contemporânea de Niterói e Chefe da Curadoria Técnica do Museu Aeroespacial. Prestou consultoria a exposições temporárias realizadas no Brasil e no exterior e atuou como presidente da Associação Brasileira de Museologia e como diretora-secretária do Conselho Federal de Museologia. Desde maio de 2009 exerce o cargo de coordenadora-geral de Sistemas de Informações Museais no Instituto Brasileiro de Museus, onde desenvolve programas e projetos na área de informação, destacando-se o Programa iMuseus, informação sobre os museus e informação para os museus.